XV Concurso Regional de Qualidade do Queijo Minas Artesanal Canastra

Em Minas Gerais, o queijo artesanal sobreviveu às pressões da modernização dos processos de produção ,devido ao apego às tradições e ao isolamento das propriedades produtoras , espalhadas pelas colinas e pelos vales do Estado. Isso contribui para a preservação dos produtos   com características próprias e de imenso valor cultural e econômico. Cada região tem seu saber-fazer característico, o que dá ao queijo artesanal uma identidade própria, de acordo com o local onde é fabricado. Os anos se passaram e a tradição da produção artesanal, agora se une  às novas tecnologias e equipamentos, garantindo qualidade, com paladar característico e segurança alimentar. Tornando-se uma iguaria na mesa dos brasileiros. O micro clima local, atuando no processo de maturação, garantem sabor e coloração inconfundíveis, que fizeram a fama do QUEIJO CANASTRA em todo país ...Hoje o modo artesanal de fazer, é registrado pelo IPHAN, como : Patrimônio Cultural e Imaterial Nacional.

O Queijo Canastra começou a ser produzido há mais de 200 anos. O nome Canastra deve-se a semelhança existente entre o imenso chapadão e um grande baú, que os antigos chamavam de canastra.

região Canastra é composta por 8 municípios:

  • Medeiros
  • São Roque de Minas
  • Delfinópolis
  • Vargem Bonita
  • Piumhi
  • Bambuí
  • Tapiraí
  • e São João Batista do Glória.

Nesta mesma ocasião ocorreu o lançamento do convênio firmado para melhoria da qualidade sanitária do Queijo Minas Artesanal.

 

A classificação do concurso foi a seguinte:

  • 1º lugar - Onésio Leite da Silva (São Roque de Minas)
  • 2º lugar - Valter Caetano Leite (Medeiros)
  • 3º lugar - Reginaldo Miranda de Andrade (Medeiros)
  • 4º lugar - Mario Cândido de Mendonça Filho (Bambuí)
  • 5º lugar - Miguel Marcelio de Faria  (São Roque de Minas)

 

Venda do Mineiro

Venda do Mineiro